O Ano em que Janis Joplin "Curtiu" uma "Rehab" no Brasil

Por: Wladmir Paulino

Imagens: Ricky Ferreira

Publicação original em: entretenimento.ne10.uol.com.br a 04/10/2016

 

foto-de-ricky-ferreira-janis-joplin-na-praia-de-copacabana-rio-de-janeiro-1970Nos seus curtos e intensos 27 anos de vida, a cantora norte-americana Janis Joplin deu o ar da sua graça no Brasil apenas uma vez, justamente no período do Carnaval, e não passou incólume mesmo sem cantar quase nada. Entornou baldes de uísque e cachaça, visitou inferninhos, foi expulsa do Copacabana Palace por supostamente nadar nua na piscina e tomou um “puxão de orelha” da polícia por fazer topless na Praia da Macumba, no Rio de Janeiro. E o mais marcante, foi aqui que ela conheceu um novo amor, que seria o último envolvimento mais intenso, já que uma overdose de heroína tiraria sua vida apenas oito meses depois de visitar o Brasil.

Janis cantou pouco na terrinha porque a intenção da viagem era bem diferente. Atolada na heroína, o país sul-americano funcionaria como uma espécie de clínica de reabilitação, já que ao menos essa droga ainda não havia desembarcado por aqui. Quem a abrigou após o cartão vermelho tomado no hotel foi o repórter fotográfico Ricky Ferreira. A encontrou na praia, sem a parte de cima do biquíni, tirando fotos com o Rei Momo e acompanhada de sua figurinista, Linda Gravenites. Levou ambas para sua casa.

O fato de não ter multidões em seu encalço fez com que Janis recebesse um certo assédio apenas da mídia. O único momento de estrela foi uma coletiva no mesmo Copacabana Palace que a havia posto no olho da rua. Além disso, a vida da diva oscilava entre porres homéricos e visitas à zona boêmia carioca – normalmente as duas coisas eram feitas simultaneamente.

Rick Ferreira contou, em entrevista ao UOL, no lançamento do documentário “Janis: Little Girl Blue”, de Amy J. Berg, que o café da manhã da cantora constava de um licor de ovos, seguido de uma garrafa de Fogo Paulista (cachaça). As tardes eram gastas com um inusitado programa inocente: fazer miçangas. O bicho pegava mesmo quando a noite caía. Nada de boates da high society carioca. ela queria era o lado sombrio da noite. Num desses inferninhos, O Bolero, que atraia prostitutas e marinheiros na avenida Atlântica, em Copacabana, reencontrou o amigo Serguei, que abandonou a lenda de que teria mantido relações sexuais com a cantora na época. A história foi reduzida a dividir um cigarro de maconha. desse mesmo encontro seguiu-se a primeira palhinha de Joplin na boate Porão 73. Na platéia estavam Alcione e Tony Tornado.

“BAGULHO NÃO ENTRA”

Com a pele cheia de bolhas pela exposição contínua ao sol de fevereiro, Janis também brincou carnaval. Viu escolas de samba e foi a um baile no Teatro Municipal. Lá foi barrada num camarote por conta da aparência. Uma pessoa da organização perguntou se a convidada era “boa”. Ao ouvir um “não” como resposta do hostess, respondeu: “Bagulho no meu camarote não entra”. Mesmo sem entender quase nada em português, ela entendeu o que se passava e ameaçou estourar a garrafa que tinha na mão na porta do camarote.

Nessa estadia brasileira ela se envolveu com um compatriota, David Niehaus, a quem descreveu como “um beatnik que parece um urso”. Ambos embarcaram , de moto, para Salvador. Na capital baiana foi reconhecida pela banda que tocava em outro bordel da zona do baixo meretrício. Subiu ao palco e mandou ‘Summertime‘ para delírio dos presentes.

CARREIRA

Janis Lyn Joplin era a filha mais velha de um funcionário da Texaco e uma secretária de faculdade. Nasceu na cidade de Port Arthur, estado do Texas e começou a cantar na igreja. Ela ainda demonstrou interesse por poesia e pintura, mas aos 17 anos, descobriu o blues e o jazz de Bessie Smith. Sua vida tomou um rumo completamente diferente e fugiu de casa. Morou em Austin, Houston, Venice e San Francisco, fazendo de tudo um pouco e cantando muito. Só voltaria à terra natal três anos depois para recuperar-se do vício em drogas adquirido na estrada.

Voltaria a San Francisco em 1966, quando juntou-se à banda Big Brother & The Holding Company. Em 1967 o Big Brother uma das atrações do Festival Pop de Monterey. O sucesso no palco continuou em disco. Cheap Thrills, de 1968, traiza o hit ‘Peace of my Heart’, número 1 na Billboard. O sucesso da cantora fez a parceria com a banda terminar no final daquele ano. ela juntou-se, em 1969, à Kozmic Blues Band, com quem gravou “I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama!“.

Em  mais uma separação, Janis formou a terceira banda, a Full Tilt Boogie Band. Desse casamento resultou o álbum Pearl, que só foi lançado em 1971, após a partida da cantora.

Durante as sessões deste álbum Janis foi encontrada morta no dia 4 de outubro de 1970, um domingo. Ela deveria ter ido ao Sunset Sound Studios gravar os vocais da música ‘Buried Alive in the Blues’. Como demorava demais, um roadie da Full Tilt foi ao Landmark Motor Hotel, onde ela estava hospedada. Bateu, gritou e não obteve resposta. Junto com o gerente, arrombou a porta e a encontrou caída entre a cama e a mesa de cabeceira. Usava uma camisola curta e estava com os lábios ensanguentados, o nariz quebrado e US$ 4,50 em uma das mãos.

No braço esquerdo, os policiais chamados disseram haver entre 10 e 14 marcas de agulhas recentes, embora nenhum vestígio de uso de drogas tivesse sido encontrado. O legista do condado de Los Angeles informou, dois dias depois, que Joplin havia injetado heroína no corpo várias horas antes de morrer e essa dose excessiva tornara-se fatal. O sangue nos lábios e nariz quebrado foram informados como consequência de uma queda. Já o dinheiro na mão nunca foi explicado e só alimentou diversas teorias de conspiração.

Os pais dela queriam enterrá-la em Port Arthur, mas o desejo da filha era ser cremada. E assim foi feito em Los Angeles mesmo, numa cerimônia secreta apenas para a família. As cinzas foram lançadas ao mar em Marin County.

Categoria:Histórias do Rock

Deixe seu Comentário